Test-drive com o Renegade: comprovamos sua segurança na estrada

Em julho último, relatamos aqui o nosso primeiro contato com o Renegade, fenômeno de vendas da Jeep no Brasil. Tivemos agora oportunidade de conferir outra versão do modelo e rodar com ela pelas ruas e estradas do Ceará. Na primeira vez, guiamos o Sport 4×4 a diesel. Agora andamos na Longitude, versão que fica abaixo da top de linha Trailhawk. Assim como no modelo anterior, o Renegade que guiamos era a diesel e tinha tração 4×4 e câmbio automático de 9 marchas (ele também tem versões a gasolina e câmbio manual, veja lista no fim da matéria).

Visao da camera de re
Imagem da câmera de ré no visor do sistema multimídia

Já tínhamos destacado algumas boas características do Renegade que nos chamaram a atenção na versão anterior que guiamos, como o baixo nível de ruído do motor a diesel, o cuidado com o acabamento e a sua dirigibilidade no ambiente urbano, com conforto e facilidade de manobrar. Um recurso presente neste último modelo, que não equipava o anterior e merece destaque, é o Monitoramento de pontos cegos (BSM). Sensores ajudam o motorista, quando ele quer mudar de faixa, a evitar eventuais colisões com veículos fora do campo de visão. Em Fortaleza, onde os motoqueiros parecem brotar de dentro do asfalto, esse recurso mostrou-se especialmente útil.

Outra diferença é que com este último modelo tivemos oportunidade de andar em uma viagem mais longa, de cerca de duas horas, em cada percurso (ida e volta). E foi na estrada que pudemos comprovar boas características de segurança do Renegade. Não  vivemos nenhuma situação extrema, mas um incidente pôde comprovar que a Jeep merece crédito quando divulga que o seu modelo recebeu cinco estrelas (a pontuação máxima) do Programa de Avaliação de Carros Novos para América Latina e o Caribe (Latin NCAP).

Estávamos a aproximadamente 70 km por hora em uma estrada simples (apenas uma faixa para cada mão), à noite e em lugar ermo, já distante de Fortaleza e sem nenhuma iluminação. Eis que um animal de pequeno porte atravessa a estrada e surge de repente na frente do carro, não dando a menor chance de reação. A pancada foi, então, inevitável e o impacto foi relativamente grande, amassando a parte inferior esquerda do para-choque dianteiro. Precisamos destacar, no entanto, que dentro da cabine o efeito foi mínimo. A despeito do som alto da batida, a carroceria e a direção do carro não sofreram qualquer desestabilização, mesmo a velocidade considerável.

O quesito segurança, aqui, vale ressaltar, entra por duas vertentes: primeiro no equilíbrio do carro diante do impacto e depois porque pudemos continuar seguindo viagem até um lugar seguro para avaliar melhor o que tinha acontecido e nos refazermos do susto sem termos de parar em uma estrada escura e deserta à noite, correndo o risco de assalto. Ponto para o Renegade, portanto.


Não é difícil entender o motivo do sucesso do Renegade: o jipe veio para atender uma enorme demanda existente por carros altos, com apelo off road e preços mais acessíveis em relação aos que existiam no mercado até há muito pouco tempo. Ele está nessa disputa com modelos o Renault Duster e o Honda HR-V, que também têm tido grande procura. Mas os testes que tivemos oportunidade de fazer comprovam que, dentro desse universo, o veículo da Jeep é um dos mais versáteis: é um carro fácil de andar na cidade, seguro para as estradas e robusto para trilhas.

 

Interior
Interior da versão Longitude

 

Opções do Renegade (preços obtidos no site da Jeep para modelos com pintura sólida)
1.8 flex câmbio manual R$ 68.900,00
Sport 1.8 flex câmbio manual R$ 71.900,00
Sport 1.8 flex câmbio automático R$ 76.900,00
Longitude 1.8 flex câmbio automático R$ 82.900,00
Sport 2.0 diesel câmbio automático tração 4×4 R$ 99.900,00
Longitude 2.0 diesel câmbio automático tração 4×4 R$ 114.900,00
Trailhwak 2.0 diesel câmbio automático tração 4×4 R$ 124.900,00

 Principais itens de série do Longitude a diesel
– Computador de Bordo (distância, consumo médio, consumo instantâneo, autonomia, velocidade média e tempo de percurso)
– Rodas em liga aro 17’’e pneus 215/60
– Ar Condicionado automático dual zone
– Câmera de estacionamento traseira
– Volante com acabamento em couro
– Aletas para trocas de marcha no volante
– Sistema de navegação GPS
– Sistema de áudio com tela de 5” touch e comando de voz
– Porta objetos sob o assento do banco do passageiro
– Tomada 12V no porta malas
– Seletor para 4 tipos de terreno
– Tração 4×4 Jeep Active Drive Low
– Motor MJet 2.0 Diesel e Cambio AT9
– HDC – Controle eletrônico de velocidade em descidas
– Air bags dianteiros
– Freios a disco nas 4 rodas
– Piloto automático
– Direção elétrica
– Sensor de estacionamento traseiro
– Controle de Estabilidade (ESC)
– Freio de estacionamento elétrico
– Rádio integrado ao painel com RDS e porta USB
– Sistema de áudio com 6 alto falantes, USB e Bluetooth
– Espelhos retrovisores elétricos
– Retrovisores elétricos, vidros e travas elétricas nas quatro portas
– Panic break assist
– Alarme
– ABS
– Ajuste do volante em altura e profundidade
– Alerta de limite de velocidade e manutenção programada
– Apoia-braço com porta objetos
– Banco do motorista com regulagem de altura
– Bolsa porta objetos atrás dos bancos dianteiros
– Comandos do sistema de áudio e bluetooth no volante
– Controle eletrônico anti capotamento
– Controle de tração
– Hill Start Assist – auxílio de partida em subidas
– Limitador de velocidade
– Quadro de instrumento TFT de 3,5”
 

 

 

 

Check Also

Test-drive: Jeep Compass versão Longitude 4×2 a gasolina

De acordo com pesquisa realizada em 2015 pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), nas cidades …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *