Test-drive: A 200, compacto que não economiza em requinte e tecnologia

O senso comum não costuma associar o mercado chamado “premium”, de modelos de luxo, a veículos compactos. Geralmente se pensa em carrão quando se fala nesse segmento. Mas é sempre bom lembrar que o mercado automotivo é dinâmico e variado, com muitas opções de bolsos e gostos. Esse é um dos detalhes que ficam claros ao ter a oportunidade de guiar, por alguns dias, o A 200, veículo de entrada da Mercedes-Benz gentilmente cedido pela Newsedan.

Conduzindo o carro e tendo contato mais demorado com seu interior, fica evidente que, a exemplo de outros compactos “premium”, ele faz uma boa conexão entre dois universos: tem preço mais acessível, próximo de 100 mil reais (em Fortaleza, o A 200 é vendido em versão única que custa R$ 109.900,00), e traz, além do status da própria marca alemã, um conjunto de recursos tecnológicos e detalhes de acabamento que denotam o luxo e o apuro na fabricação para agradar um público mais exigente.

Em relação à tecnologia, uma das coisas que nos chamou a atenção foi que, na condução, o A 200 segue a filosofia “menos é mais”, que tem inspirado os maiores sucessos de inovação de nossos dias – como o iPhone criado por Steve Jobs, por exemplo. Isso se traduz na forma como a transmissão automática livra o motorista de algumas “tarefas”.

DSC_0055
Pequena alavanca do câmbio à direita e indicador da transmissão no painel

Explicamos melhor: no câmbio automático tradicional, o motorista tem uma alavanca, geralmente no console central, que ele precisa mudar de posição para cada função. Se quer o carro para a frente, coloca na posição “D”. Para parar e desligar, precisar tirar do “D” e colocar no “P”. No A 200, existe apenas uma pequena chave no volante, menor que a do pisca-pisca, na qual o controle é feito com menos esforço e em movimentos mais econômicos. Além disso, se o carro é desligado, o sistema automaticamente passa o câmbio de “D” para “P”. E ainda aciona sozinho o freio de mão eletrônico. Pode-se argumentar que isso é apenas um mero detalhe, mas é do conjunto desses pequenos e agradáveis detalhes que se faz um veículo chamado “premium”.

DSC_0072
Recorte do painel: apuro nos detalhes do acabamento chama a atenção

Ainda falando em pormenores, o A 200 também chama a atenção pelo apuro nos mínimos cuidados de acabamento. Seja nos materiais sensíveis ao toque do painel e das portas e no design das saídas de ar, entre outros. A ausência da alavanca de câmbio do console central também ajuda nesse quesito, dando espaço para dois porta-objetos com abertura suave.

 

Na cidade, o veículo apresenta suas vantagens de compacto. É fácil de conduzir e manobrar. A versão que guiamos, inclusive, não tinha sensor de estacionamento, mas não foi complicado fazer baliza com ele. Outro recurso tecnológico interessante é o Start/Stop, que desliga o motor (mas mantém todas as funções em funcionamento, como som e ar condicionado) sempre que o carro para e o motorista pisa no freio, como durante o tempo em que o sinal está fechado. Para ligar o carro de novo, basta tirar o pé do freio. Com forte apelo ecológico, já que carro parado não polui, o Start/Stop também é uma forma de poupar combustível e ainda é um recurso limitado a poucos modelos comuns no Brasil, mas presente com certa regularidade no segmento dos carros de luxo.

A2001O perfil do A200 é de um carro mais para esportivo, com bancos envolventes e suspensão firme. Isso garante estabilidade e disposição para ganhar velocidade, embora não tenhamos tido muita oportunidade de colocar todo o potencial do modelo à prova em trechos urbanos. Essa característica, no entanto, não impede que quem goste de uma condução mais tranquila ande bem com o veículo. Além disso, a condução é configurável, com três modos: Economy, Sport e Manual. No primeiro, as trocas são feitas em baixas rotações, privilegiando conforto e menor consumo de combustível.

No Sport, as trocas são mais rápidas e acontecem em rotações mais altas, aumentando a agilidade. Já o modo Manual permite ao motorista trocar as marchas conforme seus próprios critérios, utilizando os shift paddles (borboletas atrás da direção). O motor do A 200, o bicombustível lançado em junho último (a versão anterior era apenas a gasolina) mostra disposição se o motorista pisa forte. E com uma característica que nos agradou: nível mínimo de ruído e vibração, mesmo em altas rotações.

Para quem está entrando no mundo dos “premium” ou procura um veículo fácil de rodar na cidade sem descuidar do requinte e da tecnologia, o A 200 se revela uma boa opção. Como dissemos, o modelo traz o que as montadoras costumam chamar de “DNA da marca” Mercedes-Benz a um preço mais acessível (considerando os valores do segmento de carros de luxo) e tem ótima dirigibilidade no ambiente urbano.

 

Especificações técnicas do motor

Cilindros

4 em linha

Cilindrada (cm³)

1.595

Potência (cv/rpm)

156/5.300
Torque máx. (Nm/rpm)

250 / 1.250 – 4.000

 

 

Check Also

Carros elétricos

Célula de combustível, picape de resgate: os carros elétricos da Renault-Nissan

A Nissan e a Renault, empresas pertencentes ao mesmo grupo, têm empreendido louváveis esforços no …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *