Financiamento de veículos apresentou retração de 13,3% em 2015

O financiamento de veículos novos, em 2015, acompanhou o fraco desempenho da economia. O balanço consolidado pela Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef) registrou queda de 13,3% do saldo das carteiras (CDC e Leasing). Na visão da entidade, o cenário econômico do ano passado impactou fortemente na concessão de crédito para o setor automotivo. No CDC, a redução foi de 12,7%, com saldo de R$ 177,2 bilhões em 12 meses.

O total de recursos liberados também apresentou queda, acumulando retração de 17,3% no ano. Para o CDC, foram liberados R$ 88,9 bilhões, o que representa diminuição de 17,6%. A redução mais acentuada se deu nos recursos liberados para pessoa jurídica, que encolheram 24,8% no período.

Conforme previsões feitas pela Anef, a taxa de inadimplência voltou a subir de forma sistemática. O aumento dos atrasos acima de 90 dias nos contratos de pessoa física foi de 0,8 ponto percentual, alcançando 6,1% no período. No caso de pessoa jurídica, o crescimento foi ainda mais expressivo, de 1,1 ponto percentual em relação a 2014, representando 4,5% dos contratos.

Também foi registrado aumento na inadimplência do CDC: 0,2 ponto percentual para pessoas físicas, totalizando 4,1%, e 0,8 ponto percentual para pessoas jurídicas, chegando aos 4,9%.

Em relação à participação de cada tipo de crédito na compra de veículos e comerciais leves, o leasing manteve pouca expressividade em 2015, contando com apenas 2% de participação, os financiamentos chegaram a abranger 53% do mercado e o consórcio correspondeu a 5%. Já os pagamentos à vista somaram 40% das negociações.

No segmento de caminhões e ônibus, a modalidade Finame (Financiamento de máquinas e equipamentos, uma linha de crédito com recursos do BNDES) registrou 66% de representatividade, seguida por pagamentos à vista, com 16%, e outros financiamentos com 15%. O leasing manteve apenas 1% de participação – mesmo nível desde 2013 –, atrás da categoria de consórcio, que seguiu a porcentagem de 2%, registrada anualmente desde 2008. Na venda de motocicletas, apenas foram registradas as seguintes modalidades: financiamento (33%), consórcio (35%) e compras à vista (33%).

Projeções
Para 2016, a Anef acredita que o saldo de financiamento para autoveículos e motocicletas deve apresentar queda de 5,1%, com previsão de um montante total de R$ 173,8 bilhões de reais. No mesmo mote, a expectativa de recursos liberados para o próximo ano ficou em R$ 87 bilhões, frente aos R$ 92 bilhões realizados em 2015 – retração de 5,4%.

Taxas e prazos
A média oferecida foi de 1,77% ao mês e 23,43% ao ano, enquanto a taxa dos bancos independentes passou para 1,9% a.m. e 26% a.a. para pessoa física.  O prazo médio das concessões se manteve em 42 meses, mesmo número registrado entre o período de 2013 a 2015. Os planos máximos disponibilizados pelos bancos aos consumidores seguem em 60 meses.

 

Check Also

Creta

Vendas do Hyundai Creta começam neste sábado. Modelo vem em cinco versões

As vendas do Hyundai Creta começam neste sábado (14), em todo o Brasil. O modelo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *