Fiat Toro

Test-drive: Toro Volcano, a grande rival da Toyota Hilux. Veja nossas impressões

É impressionante a atração que os cearenses têm por veículos do tipo SUV. Mesmo depois de meses após seu lançamento, a picape Fiat Toro ainda desperta curiosidade e atrai olhares. Tivemos oportunidade de guiar a versão top de linha Volcano, com motor a diesel e com câmbio automático de 9 marchas. E pudemos conferir como ela consegue fazer aflorar todo esse fascínio local por carros grandes e com apelo off road.

A Volcano é o terceiro modelo da Toro que guiamos (veja também nossas experiências com a Freedom a diesel e a Freedom a gasolina) e é uma espécie de vitrine do investimento que a Fiat fez para entrar em grande estilo no competitivo segmento das picapes médias. Além do motor a diesel e do moderno câmbio automático que já citamos, ela vem de série com tração 4×4 do tipo 4WD, um sistema que aciona automaticamente a tração nas quatro rodas.

Esse recurso funciona na Fiat Toro da seguinte forma: há um botão seletor no qual o condutor escolhe a forma como o sistema irá funcionar. Na posição “Auto”, a tração funciona sob demanda, e pode rodar em 4×4 ou 4×2 (apenas o eixo dianteiro recebendo o torque do motor).

Caso as rodas da frente percam aderência, o eixo traseiro pode receber grande parte da força, imediatamente, sendo desacoplado em seguida, caso as condições normais de rodagem sejam restabelecidas. Já com o seletor na posição “4WD”, o eixo traseiro recebe torque em tempo integral, respondendo de forma mais ràpidamente pela demanda de tração. Por fim, há a opção “4×4 Low” (reduzida).

Aliado ao motor 2.0 16V turbodiesel, esse sistema de tração faz da Fiat Toro Volcano um legítimo e robusto off road, do tipo que tanto fascina os cearenses. Por isso, a principal comparação que ouvimos as pessoas fazerem com ela foi em relação à Toyota Hilux, outro fetiche automobilístico da nossa população. As perguntas em relação a espaço, motor, desempenho e resistência (e preço) sempre eram usando a picape japonesa com referência.

Combinando a experiência que tivemos com o estudo de alguns parâmetros, podemos dizer que, apesar de menor em dimensões, a Toro é, sim, a grande concorrente atual da Hilux. Vale ressaltar que atentamos para isso por causa dos insistentes comentários das pessoas que nos abordavam sobre o carro, mas além disso, verificando o ranking de picapes mais vendidas de janeiro a agosto deste ano em todo o país, elas são as duas primeiras colocadas (com a Toro na frente). E considerando o universo cearense, onde a procura pela Volcano tem sido grande, a concorrência com a Hilux 4×4 a diesel é o que vamos destacar.

Na briga entre Fiat Toro e Hilux, ganham os consumidores

Dito isso, a primeira comparação que fazemos é em relação ao preço. Como guiamos uma Volcano completa, com todos os opcionais possíveis e muitos itens de série (como exemplos de recursos do modelo destacamos ar condicionado digital dual zone, teto solar elétrico, acionamento do motor por botão, sensores nas portas dianteiras para abertura automática e uma levíssima direção elétrica), a referência será a Hilux SRV top de linha.

Montando ambos os carros nos sites das respectivas montadoras, a Toro Volcano sai por R$ 136.579. Já a Hilux fica em R$ 191.070,00 – diferença de pouco mais de R$ 54 mil, entre uma e outra. Em termos de tecnologia, ambos são modelos muito bem servidos (veja no vídeo os principais itens de série e opcionais da Toro Volcano), pode-se dizer, bastante próximos. Em relação aos sistemas off Road, também. A Toro, em nossa avaliação, tem um design mais moderno e agressivo. Já a Hilux ganha nas dimensões.

A picape da Toyota tem 3.085 mm de entre-eixos, contra 2.990 mm da Toro. Ela também ganha na altura em relação ao solo (é 8 cm mais alta que a concorrente da Fiat). Já na capacidade de carga, ambas são iguais: podem transportar até uma tonelada, cada uma. Na comparação dos motores, o 2,8 litros da Hilux tem 177 cv de potência. A Toro Volcano, com seu turbodiesel, tem 170 cv, patamar bastante próximo.

Um ponto que conta a favor da Hilux é a tradição: é um modelo com um histórico de confiabilidade, robustez e durabilidade que a Toro precisará conquistar nos próximos anos. Outro fator importante, principalmente no Ceará é o status. Andar em uma Hilux, aqui, é um símbolo de sucesso pessoal quase unânime.

Por nossa experiência, a Toro Volcano é um modelo moderno, de excelente dirigibilidade, design atraente tanto externa quanto internamente e que apresentou, na cidade, onde rodamos durante todo o tempo, um comportamento bastante satisfatório. O consumo médio em ciclo urbano foi de mais de 10 km por litro de diesel, um bom indicador. A direção elétrica é outro ponto positivo, além do baixo nível de ruído do motor.

Muito espaço

Em relação a espaço, a Fiat Toro também não decepciona, seja na cabine ou na caçamba. Tivemos até oportunidade de conferir sua versatilidade, carregando com facilidade uma gigantesca TV de 60 polegadas (veja foto).

Toro

A conclusão a que chegamos é que nessa disputa entre Toro e Hilux, em suas versões top de linha com tração 4×4 e a diesel, quem mais ganhou foram os consumidores. Cada veículo tem várias qualidades e características que agradam diferentes expectativas e públicos do segmento. Respondendo à pergunta que inúmeros conterrâneos nos fizeram, a Toro tem tudo para conquistar seu lugar entre os veículos off road mais respeitados (e desejados) do Ceará, uma posição que o modelo da Toyota já desfruta há vários anos.

 

 

 

 

Check Also

Test-drive: Jeep Compass versão Longitude 4×2 a gasolina

De acordo com pesquisa realizada em 2015 pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), nas cidades …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *