Aircross

Citroën Aircross: nossa experiência em um SUV compacto com boa relação custo-benefício

Em um país no qual muitos consumidores sonham com um SUV, mas precisam conciliar a paixão por carros com uma altíssima carga tributária e salários achatados, o que uma montadora pode fazer para lançar um modelo de sucesso? Investir na relação custo-benefício. Depois de uma experiência guiando o Aircross, tivemos a impressão de que esse foi o pensamento da Citroën ao encerrar, no segundo semestre do ano passado, a produção do C3 Picasso e criar várias versões do Aircross, tornando-o mais acessível a uma faixa considerável de tipos de públicos.

A versão que tivemos oportunidade de conhecer foi a Live com câmbio automático (há seis opções, veja tabela com os preços no fim da matéria) e som multimídia com tela touchscreen e compatibilidade com Apple Carplay e Mirrorlink para conexão com celulares iOS ou Android. Além desses atributos, ele tinha borboletas no volante para mudar as marchas, caso o motorista queira conduzir no modo manual, luzes diurnas de LED e sensor de estacionamento com visualização da distância dos obstáculos na tela. Trazia também direção elétrica, item de série em todos os modelos Aircross. (veja explicação sobre o modelo que guiamos feita por Alan Tanan, entregador técnico da concessionária Pigalle, que cedeu o veículo para fazermos a matéria).

Com esses recursos, mais suspensão elevada e todo o aparato que caracteriza carros com apelo SUV, como adesivagem e proteções extras nos paralamas e parachoques, o carro que guiamos custa pouco menos de R$ 64 mil, de acordo com a montagem de um veículo similar a ele no site da Citroën. Voltamos, então, ao que dissemos no início desse texto: é uma ótima relação custo-benefício, principalmente se compararmos o Aircross com seus concorrentes mais próximos: o Renault Duster e o Ford Ecosport. Muito menos equipada, a versão inicial do Duster custa mais de R$ 66 mil. E o Ecosport mais básico sai por R$ 68.490. Ambos os modelos, vale ressaltar, não têm o câmbio automático incluído nessas faixas de preços.

Com um motor que não tem performance de arrancadas nervosas mas também não decepciona para andar na cidade ou levar a família para uma viagem, o Aircross é um modelo silencioso, que anda com suavidade e dá bastante conforto em termos de visibilidade graças à ampla área envidraçada (principalmente com o generoso para-brisa de três partes). A direção elétrica, levíssima, ajuda na tarefa diária de enfrentar manobras nos estacionamentos cada vez mais apertados de prédios e estabelecimentos comerciais e é um ponto a mais para a boa dirigibilidade.

AircrossPara motorista e passageiros, também agrada a altura generosa dos bancos. A sensação é boa, por causa da ampla visão da área externa. Em relação a dimensões, o Aircross é menor que o Duster, mas isso não significa que o carro peca no quesito espaço interno. Pela nossa experiência, ele leva uma família com muito conforto e o porta-malas de 403 litros é capaz de atender boa parte das demandas. Além disso, o modelo da Citroën tem de série o banco traseiro rebatível 1/3 e 2/3, o que aumenta sua versatilidade. No modelo da Renault, esse recurso não está disponível na versão de entrada.

No asfalto ou no calçamento, o Aircross se mostrou um carro bastante robusto. Sua estrutura interna não pareceu apresentar muitos riscos de ruídos decorrentes do afrouxamento de componentes causados pela trepidação diária. E a suspensão é firme, mas sem comprometer o conforto. O veículo se revelou um resultado de bom projeto para quem busca racionalidade, combinando preço convidativo e boa quantidade de atributos positivos.

O que pudemos concluir da experiência com o Aircross é que o modelo – que está inserido em uma nova estratégia de crescimento da Citroën, sobre a qual já falamos aqui – só precisa ser mais conhecido pelos consumidores brasileiros. Para quem procura um carro com algumas características de um SUV, como espaço, boa altura, robustez e status garantido pela imponência, ele é, sem dúvida, uma opção a considerar. É provável que esse conjunto de atributos o faça ganhar mais mercado nos próximos anos. O promissor mercado nacional de SUVs de entrada só tem a ganhar com a entrada firme do Aircross, baseada na atratividade por meio de uma boa relação custo-benefício.

Versões e preços do Citroën Aircross (opções mais em conta, com pintura sólida, disponíveis no site da Citroën. Em R$)

1.5 Start Manual 51.490,00

1.5 Live Manual 57.190,00

1.6 Feel Manual 61.090,00

1.6 Live Auto 62.190,00

1.6 Feel Auto 65.690,00

1.6 Shine Auto 71.690,00

 

Check Also

Carros elétricos

Célula de combustível, picape de resgate: os carros elétricos da Renault-Nissan

A Nissan e a Renault, empresas pertencentes ao mesmo grupo, têm empreendido louváveis esforços no …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *